Onde Comer – San Andres

Perro Caliente
Rede de hamburguesa de trailler. Simplesmente horrível! A carne é seca, o molho tem um gosto forte e o atendimento é péssimo e mal-educado. Acabamos comendo aí, pois era a única opção aberta quando chegamos, já que era muito tarde. Mas, sinceramente, era preferível ter comido chips.

Hamburguesa = COP 9.000
Água e Cerveja Miller = COP 2.000 cada

Cafe Cafe (Avenida Colombia)

Cafe Cafe - San Andres
Cafe Cafe – San Andres

Espécie de café, pizzaria e restaurante que fica centro de San Andres, pertinho da praia. A decoração é de lanchonete americana dos anos 50 e a comida é bem gostosa. Pedimos uma massa a bolonhesa (COP 21.500 grande) e outra a Marinara (COP 21.500 Júnior), com frutos do mar. O local é uma excelente opção para os dias em que é preciso almoçar mais tarde, já que fica aberto direto, até às 23h.

Beer Station (Avenida Colombia #1a-16 local 102)
O que realmente vale aqui é a vista. O bar fica em um pier, praticamente sobre o mar da Playa Peatonal. A cerveja é gelada e oferecem muuuuitas opções de drinks.

Aguila = COP 4.900
Daiquiri = COP 12.900

Portobelo (Avenida Colombia 5A 69)
Esse restaurante embaixo do hotel de mesmo nome é uma boa opção para quem não tem café da manhã incluído na diária. Fomos lá todos os dias que ficamos em San Andres, pois o cardápio de café da manhã é completo e o preço é bom. Sem contar que é a cara da riqueza tomar café de frente para o mar do caribe, né? Ryca!

Café Americano (suco, café ou chocolate quente, pães, arepa e ovos mexidos) = COP 15.000

Miss Celia (Avenida newball, em frente ao Club Nautico)

Miss Celia - San Andres
Miss Celia – San Andres

Em uma casa de madeira e palha, o restaurante é super acolhedor. Os pratos são bem gostosos, muito fartos, baratos e servidos rápidos. Ou seja, uma excelente opção para o dia de dar a volta na ilha, já que no fim de tarde todos estão famintos. O atendimento é super solícito, porém, a conta demorou muito (mesmo) para chegar.

Peixe frito, arroz, salada e pláton = COP 30.000

Missi Celia - San Andres
Missi Celia – San Andres

La Regatta (Avenida Newball, ao lado do porto)
Esse é, sem dúvida, o melhor e mais bonito restaurante da cidade. A casa fica em cima do mar e das mesas próximas às janelas é possível sentir a brisa do mar e ver arraias nadando. O atendimento é bom, educado e rápido. O wi-fi só funciona de verdade na entrada e perto dos banheiros. Mas é até melhor, pois assim você não se distrai com outra coisa que não seja a decoração e o mar. O valor dos pratos principais varia de COP 30.000 a COP 50.000 (a lagosta custa COP 90.000).

La Regatta - San Andres
La Regatta – San Andres

O couvert é bem gostoso, com frutas, pão e molhinho de limão. De entrada, pedimos uma salada super gostosa. Como principal, pedimos um peixe empanado em parmesão com salada (gostoso) e um peixe ao molho de camarão com arroz (muito gostoso). De sobremesa, encaramos um brownie com sorvete simplesmente delicioso. De bebida, pedimos cerveja (fria) e mojito (incrível!).

La Regatta - San Andres
La Regatta – San Andres

Se for a San Andres, não deixe de comer no La Regatta. Não se esqueça de reservar, se não você, provavelmente, vai voltar frustrado para casa.

Aquarius (Avenida Colombia 5A, ao lado do Portobelo)
Com mesas na calçada, de frente para a praia, esse restaurante é a tradução perfeita da expressão “comer com vista”. Para o nível de San Andres, o serviço é até rápido – o prato demorou cerca de 20 minutos. A comida é gostosa, apesar de ser bem carinha (é o preço a ser pago pela vista).

Aquarius - San Andres
Aquarius – San Andres

Peixe ao molho de camarão gratinado, salada, arroz de côco queimado e batata frita = COP 50.000
Peixe empanado, salada, arroz de côco queimado e batata frita = COP 35.000

Presto
Essa rede de fast food colombiana não é tão fast quanto deveria e não tão barata. Mas, no dia de irmos embora, foi a melhor escolha, já que o Subway estava lotado e não queríamos correr o risco de perder o voo graças ao atendimento lento típico de San Andres. O hambúrguer é gostosinho e a batata frita é igual ao do Mc Donald’s. Ou seja, com (média) pressa, vale o Presto.

Cheeseburguer, batata frita e refrigerante = COP 21.000
Hambúrguer = COP 14.000

Precisa de ajudar para planejar sua viagem? Chega aqui e descubra as experiências incríveis que podemos construir juntos. Com conversa, intimidade, experiência e vontade, dá para fazer uma viagem personalizada que te permita se encontrar (e se surpreender) onde quer que você esteja.

Anúncios

Roteiro – San Andres

Alugamos o carro perto do porto e seguimos pela praia de Rocky Cay, que fica bem em frente à ilha de mesmo nome – dá para ir nadando, mas não me arrisquei. Tinham me falado que esse era um bom lugar para curtir uma praia tranquilo, já que é possível utilizar a infraestrutura do hotel da rede Decameron que existe por ali. Mas a verdade é que isso não é permitido e a praia quase toda fica na sombra, pois há muitas árvores na areia. Ou seja, desça, tire uma fotinho da ilha a frente e volte para o carrinho.

Nossa primeira parada de sucesso foi o Hoyo Soplador, que é gratuito. Apesar de ter lido que a atração era boba, eu simplesmente adorei. Rs… O olho é um buraco no meio das pedras que, quando o mar bate, esguicha (muita) água para cima. Tome cuidado com celular e outros aparelhos, pois molha muito!

Antes de ir embora, não deixe de tomar um Coco Loco na barraquinha que fica dentro do “complexo” de lojinhas e restaurantes. Uma outra dica é: evite conversar com as pessoas que chegam oferecendo algum tipo de serviço. O lugar é extremamente turístico e muitas pessoas tentam se aproveitar disso para ganhar dinheiro.

Coco Loco - San Andres
Coco Loco – San Andres

Do Hoyo Soplador, fomos em direção ao West Wing, passando pela La Piscinita (estava fechada). Para quem gosta de ver peixes e outras coisinhas no fundo do mar, o West Wing é um ótimo programa. Para quem não gosta, o lugar também é uma excelente opção, pois tem um tobogã que cai direto no mar. Legal demais mesmo! Quem for mais radical, pode cair no mar pulando de trampolim. Para os mais medrosos, existe uma escadinha tranquila.

West Wing - San Andres
West Wing – San Andres

A entrada custa (COP 5.000) e te dá direito a pãezinhos para alimentar os peixes. Dentro, tem guarda-volumes (pague o quanto quiser) e uma barraquinha que vende uma deliciosa piña colada.

Depois, era hora de curtir uma praia tranquilo. Paramos na Playa de San Luis e ficamos curtindo o sol com aquela vista deslumbrante. Já com (muita) fome, seguimos para o restaurante Miss Celia (veja onde comer em San Andres) e depois devolvemos o carrinho.

Playa de San Luis - San Andres
Playa de San Luis – San Andres

Acabamos dando uma volta e meia na ilha, porque queríamos ver o aeroporto e ficamos em dúvida sobre qual praia escolher. Mas a verdade é que dá para ver bem tudo em menos de 6 horas.

Precisa de uma mãozinha para planejar sua viagem? Chega aqui e descubra tudo o que o Por Ceca e Meca te oferece. 

Aluguel de Carros – San Andres

Em San Andres, existem milhões de lugares onde você pode alugar carrinhos de golfe, Kawasaki ou Mule (maiores um pouco). É preciso pesquisar e chorar o preço antes de assinar o contrato. O ideal é fazer a retirada do veículo de manhã e combinar de devolver no fim do dia – normalmente, a diária termina às 17h.

Chegamos a orçar o aluguel no hotel e com umas pessoas que ficavam na praça, mas acabamos alugando na Millenium Rent a Car. O preço não era muito diferente dos outros lugares não, mas os carrinhos eram novos e super bem conservados – vimos vários caindo aos pedaços. Nós pagamos COP 160.000 na diária de uma Kawasaki novinho.

San Andres
San Andres

Para alugar, você precisa apenas assinar um termo de compromisso. O lugar é uma ilha, não tem muito como roubar e fugir com o carro.

Dirigir o carrinho é super fácil. O moço nos ensinou como ligar e desligar, alguns macetes importantes e onde fica o tanque de gasolina. Tudo muito simples. O difícil, muitas vezes, é só entender a mão das ruas e desviar dos outros carros.

San Andres
San Andres

O carro é entregue com o tanque cheio e deve-se devolver assim. Apesar da gasolina não ser baratíssima, o carrinho é super econômico. Gastamos ¼ de tanque (COP 7.000) para dar uma volta e meia na ilha. Ótimo custo benefício.

Veja o roteiro que fizemos para conhecer a ilha toda em um dia.

Praias – San Andres

A Playa Peatonal ou Playa de Spratt Bight é a maior da ilha e acompanha todo o centro da cidade. Quanto mais próximo às lojas e shoppings, maior é a faixa de areia e melhos a infraestrutura – mesinhas, barracas, etc. Não é a melhor para estender a canga, mas é a mais confortável de se ver. A dica aqui é jogar um vôlei na areia, caminhar pelo calçadão fechado ou sentar em um dos muitos bares e restaurantes da orla e tomar uma apreciando a vista deslumbrante.

A Playa de San Luis foi a que escolhemos para tomar um solzinho enquanto bebíamos um delicioso Coco Loco – drink típico da ilha. A praia é tranquila, tem coqueiros e barraquinhas de bebida. O que mais se pode querer da vida?

Playa de San Luis - San Andres
Playa de San Luis – San Andres

Na maioria das praias de San Andres é possível fazer snorkel e ver muitos peixes e corais. Mas como não sou muito fã de mergulho, bichos e mar, não me arrisquei nesse programa. O máximo de programa ecológico e aquático que fiz foi nadar com peixinhos no West View. Mas para quem gosta, San Andres é um prato mar cheio.

Bahia el Cove é uma zona de bosques que pertence às Forças Armadas Nacionais da Colômbia. De lá é possível ter uma vista panorâmica da ilha. O lugar é ideal para ver o entardecer, já que o sol se põe no mar. Simplesmente imperdível!

Quer ir além do arroz com feijão em suas viagens? Vem aqui e descubra o quanto o mundo pode ser surpreendente!

Onde Ficar – San Andres

Caribean Island (C1 4- 53 Avenida Colombia, San Andrés)

Guarde bem esse nome e, se possível, se hospede em outro lugar. A localização é boa, realmente, mas o stress não compensa a vista. Apesar da boa avaliação no Booking ficar nesse hotel foi uma péssima decisão. Vale lembrar, que não era a opção mais barata dentre os não-resorts.

Caribean Island - San Andres
Caribean Island – San Andres

Vamos começar pelos pontos positivos: os atendentes são muito atenciosos (apesar de um deles ter furado meu travesseirinho de pescoço); a localização é boa, de frente para a praia e ao lado de um Subway (porém, saindo do hotel, vire sempre è direita e ande um pouco, pois é lá que a vida acontece. Evite – mesmo – virar à esquerda); o ar condicionado dos quartos funcionam bem; a cozinha dos quartos luxo são muito bem equipadas, como todos os utensílios necessários; eles oferecem um galãozinho de água gratuitamente; é possível pegar toalhas para usar na praia e, assim, evitar voltar com uma mala cheia de areia.

Pronto, agora que te adocei, segue o fel amargo da decepção. Quando chegamos, o quarto não estava pronto. Tínhamos pago por um quarto melhor, com sala e cozinha. Porém, durante quase metade da nossa estadia – 1,5 dia – ficamos em um quarto bem mais simples e sem pouso, já que no dia seguinte não tínhamos quarto. Quando fomos liberados para entrar na suíte que reservamos tive vontade de chorar. O chão e mobília estavam simplesmente imundos e engordurados. O cheiro de mofo era muito forte, uma das camas estava quebrada e com lençol sujo. A água do chuveiro não tinha pressão nenhuma (água gelada é padrão na ilha, não se assuste); a pia era minúscula, o que acabava te obrigando a molhar todo o chão do banheiro; o quarto não tem cofre e se ouve tudo o que acontece do lado de fora. O hotel não tem elevador, não chama táxi para ir para o aeroporto, cobra mais caro pelo aluguel do carrinho e pelo mapa da ilha (COP 8.000).

Moral da história: junte dinheiro e fique em um Decameron.

Chegada – San Andres

O jeito mais barato de chegar a San Andres é pela companhia Viva Colombia, a low coast do país. O esquema é aquele: o serviço vale o quanto se paga. Não existe poltrona marcada e não espere qualquer tipo de mimo durante o voo. Mas, como não demora muito, nada que faça falta. A passagem dá direito a levar uma mochila de até 6 Kg dentro do avião. Para despachar mala, é preciso pagar uma taxa extra que varia de acordo com peso e dimensão da bagagem. Se você não estiver no clima de se aventurar na Viva, pode escolher entre a Copa, Avianca e Lan, que também descem em San Andres.

Antes de embarcar para a ilha é preciso comprar um boleto turístico. Ele custa COP 50.000 e você compra no balcão, na hora de fazer o check-in. Guarde esse papel como se fosse sua vida, pois ele será cobrado na volta!

Ao chegar à ilha é preciso fazer um novo processo de imigração – você tem que apresentar o passaporte e o boleto turístico. Como são poucas cabinizinhas, tente sair rápido do avião para evitar pegar uma fila gigante.

O aeroporto de San Andres parece pista de pouso em fazenda, sabe? Nada de conforto, luxou ou eficiência. Sério! Ficamos mais de 40 minutos esperando as malas aparecerem na esteira. Uma agonia só, ainda mais que o aeroporto não tem wi-fi. Na hora de ir embora, o voo atrasou muito e o despacho de bagagem foi uma loucura – muita gente em um lugar que não tem ar condicionado (lembre-se que San Andres fica próximo à linha do Equador). Praticamente não tem onde comer no aeroporto e só existe uma máquina de Raio X. Conclusão: prepare-se para enfrentar (muita) fila.

Fila para despachar a mala, no aeroporto de San Andres
Fila para despachar a mala, no aeroporto de San Andres

O hotel que ficamos tinha contratado um taxista para nos esperar no aeroporto, porém o cara não apareceu (não foi dessa vez que realizei meu sonho de ter uma plaquinha com meu nome). Porém, logo que você sai do aeroporto, tem uma fila de táxis te esperando. Inclusive, a corrida ficou mais barata (COP 12.000) do que o valor que tínhamos combinado com o hotel.

Como aterrizamos tarde – 22h40 – e tivemos que esperar pela mala, só chegamos ao hotel depois de meia-noite. Famintos (sou capaz de matar quando estou com fome), fomos informados que o nosso quarto, com sala e cozinha, só estaria liberado no dia seguinte. E, para piorar, não tinha nenhum restaurante servindo comida no horário. O jeito foi encarar um hambúrguer (horrível) de trailler. Veja onde comer e não comer em San Andres. Por isso, reforço minha dica inicial: não chegue à noite em San Andres.

Passeio de Bicicleta – Cartagena

Durante a semana pode ser difícil andar de bicicleta pela cidade – muitos pedestres, vendedores de frutas e charretes(!). Por isso, deixe o passeio para o domingo, quando a rua é praticamente só sua. O melhor é esperar o sol baixar e fazer o passeio entre as 16h e 18h.

Pôr do sol em Cartagena - Colômbia
Pôr do sol em Cartagena – Colômbia

Roteiro

Comece pela Cidade Amuralhada – Plaza de Santo Domingo – e siga pela Plaza de San Pedro, Plaza de la Aduana e Portal de los Dulces. Vire à direita na Puerta del Reloj e siga o até o Parque de Fernández Madrid – pausa para uma frutinha gelada. Depois, vá direto para a Plaza San Diego onde você pode repor as energias com uma arepa de ovo.

Siga em busca das muralhas deixe o centro pela saída ao lado do supermercado Éxito San Diego. Com o mar à direita, toca para Bocagrande. Aproveite para comer alguma coisa bem gostosa por lá, de frente para a praia.

O passeio termina em Castillogrande onde há uma área exclusiva para pedestres, de frente para a baía e com uma bela visto do pôr do sol.

Onde alugar bicicletas

Roda Bici Tour
Getsemaní, Callejón Ancho No. 10b-16
(57) 317 464 8320 / (57) 316 487 3633

Cartagena de Indias Bike Rental & Touring
Centro, San Diego, calle San Pedro Mártir No. 1086
2º piso
(57) 660 5156 / (57) 660 4918 / (57) 314 556 4335

Velo Tours
Centro, calle Don Sancho. Edificio Agua Marina
(57) 5 664 9714

Edward, Electric Bike Rental
Calle primera de Badillo frente à Biblioteca Rafael Nuñez
(57) 301 294 13 18

OBS: os preços variam de COP 4.000 a COP 7.000 por hora. 24 horas sai por COP 80.000 e uma semana por COP 200.000.

Precisa de ajudar para planejar sua viagem? Chega aqui e descubra as experiências incríveis que podemos construir juntos. 

Onde se Divertir – Cartagena

Cafe Havana (Calle Media Luna com Calle del Guerrero – Getsemaní)
Simplesmente a melhor noite de toda a viagem. Depois de ver os fogos da virada de ano em cima da muralha (saiba tudo sobre o reveillon na cidade), fomos ao Café Havana para entrar em 2016 com o pé direito.

Cafe Havana - Cartagena
Cafe Havana – Cartagena

Apesar de ser fora da Ciudad Amurallad – fica em Getsemaní -, é super seguro ir a pé até lá. O lugar é pequeno, com um bar que ocupa quase toda a extensão do salão. No palco, bandas cubanas – no dia que fui, uma banda só de mulheres foi quem animou a noite – que apresentam o que há de melhor no país de Fidel. Não há muito espaço em frente ao palco para dançar, mas se você estiver bêbado, assim como eu e meu namorado estávamos, não se acanhe porque é possível dar um show, mesmo que para isso alguns dedões sejam pisoteados.

Cafe Havana - Cartagena
Cafe Havana – Cartagena

Próximo ao bar tem um espaço bom para quem sabe dançar salsa mostrar suas habilidades ou para quem quer se arriscar em alguns passinhos. A cerveja é gelada e custa o preço normal – COP 8.000. Paga-se para entrar (somente em dinheiro) e lá dentro é possível usar cartão de crédito. Na hora de ir embora, é só pegar um táxi – têm muitos na porta.

Se você quer saber o que que a cubana tem, não deixe de ir ao Cafe Havana! O passeio fica melhor ainda quando suas companhias são casais recém conhecidos em uma adega, em plena noite de Réveillon.

Quer ir além do arroz com feijão em suas viagens? Vem aqui e descubra o quanto o mundo pode ser surpreendente!

Onde Comer – Cartagena

Pepe Anca (Callejon de Los Estribos 2-56)
Especializado em carne, esse restaurante está entre os mais bem avaliados no Trip Advisor. É um pouco mais caro que os outros que fui, mas como era meu primeiro dia na cidade, quis esbanjar. Valeu cada centavo gasto. O ambiente é bonito, porém estava um pouco quente – o ar condicionado estava meio baixo e o salão um pouco cheio – e o wifi não funcionava muito bem. O couvert, gratuito, vem com patacón com molhinhos picantes. Como prato principal pedi peixe com molho de camarão, que veio com dois acompanhamentos (COP 42.500) – sei que o restaurante é de carne, mas não resisto a camarão. Meu namorado seguiu o protocolo e pediu T-bone (COP 48.500), que veio alta, bem temperada e mal passada, como manda o figurino. O café é cortesia da casa. Destaque para o papel higiênico que era excepcional – encorpado e macio. Juro! Rs…

Carbon de Palo (Avenida San Martín No. 6 – 40 – Bocagrande)
Localizado em Bocagrande, na rua que das lojas chiques (Carrera 2), esse restaurante serve carne no estilo argentino – alta, macia, no ponto e sem tempero. Os pratos acompanham batata assada com molho de queijo, arepa com queijo e molhos chimichuri e picante.

Baby beef do Carbon de Palo - Cartagena
Baby beef do Carbon de Palo – Cartagena

Você pode escolher entre dois tamanhos de carne – 300g e 400g. Pedimos a maior e foi mais do que suficiente, mas, como estava muito boa, valeu a gulodice. Os preços estão dentro do esperado para um restaurante como esse – Baby beef: 300g = COP 35.000, 400g = COP 42.000. As cervejas têm um preço bom e são servidas geladinhas (ponto!) – Aguila = COP 5.000 e Club Colombia = COP 7.000. O atendimento é super cortês e a dona faz questão de atender as mesas. Uma fofa! Se a ideia é almoçar em Bocagrande e depois dar um rolê pela praia, o Carbon é uma boa escolha!

La Bruschetta (123, Cra. 7 #38 – perto da Casa de Gabriel Garcia Marquez)
Esse é um daqueles restaurantes com a cara da riqueza, sabe? Mesa com muitos talheres e taças, guardanapo de pano… tudo para deixar mais difícil a movimentação. O serviço é muuuuuito demorado e, apesar da comida ser bem gostosa, não compensa a espera nem o preço (COP 45.000). A carne que pedimos veio mal passada, como queríamos, e super macia. Porém, era acompanhada com um molho de shitake que não estava no cardápio. Resultado: meu namorado, de ressaca, acabou deixando quase toda a carne no prato porque não gosta de cogumelos (perdeu, porque estava uma delícia!).

Conclusão: vá ao La Ceviceria, que é pertinho e, com certeza, tem serviço mais rápido e menos surpresas no prato.

La Bruschetta - Cartagena
La Bruschetta – Cartagena

La Galeria (Plaza de San Diego. Calle 39 #8-34)
Pequenino e localizado na minha praça preferida de Cartagena, essa pizzaria é bem charmosa e super em conta. Pedimos uma pizza marguerita e uma de jamón – grandes, de massa fina e super gostosas – por COP 17.000 cada. Se não tiver com muita fome, dá para dividir uma tranquilamente.

La Galeria - Cartagena
La Galeria – Cartagena

Os pratos de massa são bem fartos e custam entre COP 20 – 25.000. A limonada de côco é deliciosa e grande (COP 7.000), vem com uma espécie de calda que dá um toque especial. O lugar é um pouco confuso, mas ainda assim é uma boa opção para um jantar ou almoço leve.

Hard Rock Café (Cra. 7 nº 32-10 – Plaza de la Aduana)

Hard Rock Cafe - Cartagena
Hard Rock Cafe – Cartagena

Como serviço demorado é uma constante em Cartagena, no último dia, preferimos não arriscar e optamos pelo padrão americano de ser: rápido, eficiente e sem grandes firulas. Igual a todos os outros do mundo, o Hard Rock possui bons pratos a preços razoáveis. Pedimos carne com purê e vegetais (COP 38.000) acompanhado de uma boa cerveja fria (gelada seria muito).

hard-rock-cafe

A vista é bonita – de frente para o braço de mar que separa a cidade murada de Getsemani – e o serviço é rápido. Uma boa pedida para quem tem horário para embarcar.

Vista Hard Rock Cafe - Cartagena
Vista Hard Rock Cafe – Cartagena

Luxury (Plaza Santo Domingo)
Com mesas na praça, esse bar é uma boa opção para a cerveja de fim de tarde. Apesar do atendimento demorado, vale a pena esperar, pois a cerveja é a mais gelada da praça. O preço é um pouco alto (Club Colombia = COP 8.500), mas vale a vista do bumbum da La Gorda, escultura de Botero.

KGB (Parque Fernandez de Madrid)

Bar KGB - Cartagena
Bar KGB – Cartagena

Bar com temática russa muito frequentado pelos gringos. A decoração é bem legal e é uma atração a parte. A cerveja é gelada (finalmente um lugar que sabe usar o congelador) e o mojito é uma delícia (COP 18.000 – grande).

Bar KGB - Cartagena
Bar KGB – Cartagena

Uma ótima opção para fazer um aperitivo antes do jantar ou tomar o último drink antes de voltar para o hotel.

La Paleteria (Calle de Ayos Number 03-86 | Local 2)
Cartagena possui várias sorveterias e como o clima é propício, dá para experimentar todas. A La Paleteria com certeza tem que entrar na lista. Atrás de uma portinha se esconde um mundo de sabores de sorvete e um lustre lindíssimo.

Lustre La Paleteria - Cartagena
Lustre La Paleteria – Cartagena

O lugar é pequeno, mas possui bancos e ar condicionado (!!!). Cada bola de sorvete custa COP 5.500. O de bon bon ferrero é muito gostoso. Porém, o de vanilla, está apenas na média.

Precisa de ajudar para planejar sua viagem? Chega aqui e descubra as experiências incríveis que podemos construir juntos. Com conversa, intimidade, experiência e vontade, dá para fazer uma viagem personalizada que te permita se encontrar (e se surpreender) onde quer que você esteja.

O que comer e beber – Cartagena

Arepas
Em Roma, coma como os romanos. Na Colômbia, coma arepas! Feitas de farinha de milho branco (maiz), elas se parecem com panquecas, mas mais gordinhas. Substituem o pão no café da manhã e são servidas como acompanhamento em muitos pratos. Normalmente, são servidas inteiras, pequenas e redondas. São gostosinhas, mas assim, tem pão francês?

Patacón
Feita de plátanos – um tipo de banana da terra, quase nada doce – é servido em rodelas finas fritas ou assadas. É quase um chips de banana salgada. Acompanha muitos pratos e normalmente vem com molho a parte.

Arroz de coco
Arroz agridoce feito com óleo de côco e pedacinhos da fruta. Pode ser queimado – mais marrom devido à presença de açúcar mascavo – ou branquinho.

Carimañolas
Bolinho frito, bem gostos, que se parece com risole. É servido até mesmo no café da manhã. Nada como acordar já enfiando o pé na jaca!

Frutos do mar
Como em toda cidade costeira, os peixes são personagens principais nos restaurantes. Ceviche, lagosta, atum e o pargo rojo (peixe local muito popular) são presença garantida nos cardápios.

Frutas típicas
Em Cartagena, em cada esquina você encontra palenqueiras – mulheres com trajes típicos que vendem frutas em bacias. Nessas “vendas”, um novo mundo frutífero se abre. Vale experimentar!!!

Existem muitas frutas diferentes, como: corozo, que parece uma uva, mas é muito ácida e não se come pura, apenas em sucos e sorvetes; granadilla e curuba, que são da família do maracujá; feijoa, que parece uma goiaba branca; pitaya; borojo; caimito; e uchuva.

Além das diferentonas, muitas frutas conhecidas possuem outro nome: guanábara é a nossa graviola; zapote é sapoti; fresa é morango; e sandía é a nossa melancia.

Cervejas
As mais populares são a Aguila e a Club Colombia. Apesar dessa última ser mais bem estimada pelos colombianos, admito que preferi a Aguila, que ainda tem a vantagem de ser mais barata. Existem ainda algumas marcas mais premium, como a Costeñita, Poker e as artesanais da BBC (Bogotá Beer Company) e Apóstol. Acredito que todas ficariam mais gostosas se fossem servidas geladas. Não entendo a dificuldade!

Cerveja Aguila - a melhor!
Cerveja Aguila – a melhor!

Limonada com côco
Batida com o leite da fruta, esse suco é quase uma instituição local. Apesar de parecer estranho, é simplesmente delicioso!

Aguapanela
Bebida típica de limonada com rapadura.

Refrigerantes
Na Colômbia, as sodas vão muito além da Coca-Cola. As gaseosas (como se chama refrigerante) locais são bem estranhas. Existem muitas de maçã – manzana – e algumas de cor estranha, como rosa – Postobon. Admito que não tive coragem/vontade de experimentar nenhum deles.

Café
Realmente a fama tem procedência. Ô cafézinho gostoso! As marcas mais famosas são Juán Valdez (existe uma cafeteria em cada esquina. O expresso normal custa COP 3.600) e Sello Rojo. As duas são facilmente encontradas em qualquer supermercado e nos aeroportos.

Cafe Juan Valdez - Cartagena
Cafe Juan Valdez – Cartagena