Roteiro – San Andres

Alugamos o carro perto do porto e seguimos pela praia de Rocky Cay, que fica bem em frente à ilha de mesmo nome – dá para ir nadando, mas não me arrisquei. Tinham me falado que esse era um bom lugar para curtir uma praia tranquilo, já que é possível utilizar a infraestrutura do hotel da rede Decameron que existe por ali. Mas a verdade é que isso não é permitido e a praia quase toda fica na sombra, pois há muitas árvores na areia. Ou seja, desça, tire uma fotinho da ilha a frente e volte para o carrinho.

Nossa primeira parada de sucesso foi o Hoyo Soplador, que é gratuito. Apesar de ter lido que a atração era boba, eu simplesmente adorei. Rs… O olho é um buraco no meio das pedras que, quando o mar bate, esguicha (muita) água para cima. Tome cuidado com celular e outros aparelhos, pois molha muito!

Antes de ir embora, não deixe de tomar um Coco Loco na barraquinha que fica dentro do “complexo” de lojinhas e restaurantes. Uma outra dica é: evite conversar com as pessoas que chegam oferecendo algum tipo de serviço. O lugar é extremamente turístico e muitas pessoas tentam se aproveitar disso para ganhar dinheiro.

Coco Loco - San Andres
Coco Loco – San Andres

Do Hoyo Soplador, fomos em direção ao West Wing, passando pela La Piscinita (estava fechada). Para quem gosta de ver peixes e outras coisinhas no fundo do mar, o West Wing é um ótimo programa. Para quem não gosta, o lugar também é uma excelente opção, pois tem um tobogã que cai direto no mar. Legal demais mesmo! Quem for mais radical, pode cair no mar pulando de trampolim. Para os mais medrosos, existe uma escadinha tranquila.

West Wing - San Andres
West Wing – San Andres

A entrada custa (COP 5.000) e te dá direito a pãezinhos para alimentar os peixes. Dentro, tem guarda-volumes (pague o quanto quiser) e uma barraquinha que vende uma deliciosa piña colada.

Depois, era hora de curtir uma praia tranquilo. Paramos na Playa de San Luis e ficamos curtindo o sol com aquela vista deslumbrante. Já com (muita) fome, seguimos para o restaurante Miss Celia (veja onde comer em San Andres) e depois devolvemos o carrinho.

Playa de San Luis - San Andres
Playa de San Luis – San Andres

Acabamos dando uma volta e meia na ilha, porque queríamos ver o aeroporto e ficamos em dúvida sobre qual praia escolher. Mas a verdade é que dá para ver bem tudo em menos de 6 horas.

Precisa de uma mãozinha para planejar sua viagem? Chega aqui e descubra tudo o que o Por Ceca e Meca te oferece. 

Publicidade

Passeio de Bicicleta – Cartagena

Durante a semana pode ser difícil andar de bicicleta pela cidade – muitos pedestres, vendedores de frutas e charretes(!). Por isso, deixe o passeio para o domingo, quando a rua é praticamente só sua. O melhor é esperar o sol baixar e fazer o passeio entre as 16h e 18h.

Pôr do sol em Cartagena - Colômbia
Pôr do sol em Cartagena – Colômbia

Roteiro

Comece pela Cidade Amuralhada – Plaza de Santo Domingo – e siga pela Plaza de San Pedro, Plaza de la Aduana e Portal de los Dulces. Vire à direita na Puerta del Reloj e siga o até o Parque de Fernández Madrid – pausa para uma frutinha gelada. Depois, vá direto para a Plaza San Diego onde você pode repor as energias com uma arepa de ovo.

Siga em busca das muralhas deixe o centro pela saída ao lado do supermercado Éxito San Diego. Com o mar à direita, toca para Bocagrande. Aproveite para comer alguma coisa bem gostosa por lá, de frente para a praia.

O passeio termina em Castillogrande onde há uma área exclusiva para pedestres, de frente para a baía e com uma bela visto do pôr do sol.

Onde alugar bicicletas

Roda Bici Tour
Getsemaní, Callejón Ancho No. 10b-16
(57) 317 464 8320 / (57) 316 487 3633

Cartagena de Indias Bike Rental & Touring
Centro, San Diego, calle San Pedro Mártir No. 1086
2º piso
(57) 660 5156 / (57) 660 4918 / (57) 314 556 4335

Velo Tours
Centro, calle Don Sancho. Edificio Agua Marina
(57) 5 664 9714

Edward, Electric Bike Rental
Calle primera de Badillo frente à Biblioteca Rafael Nuñez
(57) 301 294 13 18

OBS: os preços variam de COP 4.000 a COP 7.000 por hora. 24 horas sai por COP 80.000 e uma semana por COP 200.000.

Precisa de ajudar para planejar sua viagem? Chega aqui e descubra as experiências incríveis que podemos construir juntos. 

Pontos Turísticos – Cartagena

Puerta del Reloj
Sua primeira entrada nas muralhas da cidade deve ser pela Puerta del reloj por uma questão simples: é a mais linda e emblemática da cidade. Fica de frente para o braço de mar que separa a cidade amuralhada de Getsemaní – uma ponte levadiça liga os dois bairros. Antigamente, os arcos, que hoje servem para proteger do sol e abrigam ambulantes, eram usados como capela e arsenal na época em que havia também um fosso. A estátua, logo na entrada, é de Pedro de Heredia, fundador da cidade.

Puerta del Reloj - Cartagena
Puerta del Reloj – Cartagena

Plaza de los Coches
Pertinho da Puerta del Reloj, é a primeira vista que temos quando entramos na parte murada. É daqui que saem os passeios de charrete (preço COP 60.000 negociável) – não fiz e admito que me irritei um pouco com a enorme quantidade de charretes pelas ruas.

Em frente à torre, na Plaza, está o Portal de los Dulces. Embaixo dos arcos onde antes era um mercado de escravos, muitas mulheres expõem os doces típicos da região – alguns são tradicionais, mas alguns são bem “fora do padrão” brasileiro.

Plaza de la Aduana
No passado, a praça abrigava as principais construções administrativas da colônia. Hoje, os belíssimos casarões abrigam agências dos principais bancos, além do Hard Rock Café, da Prefeitura e do maior posto de Apoio ao Turista.

Esta é a maior praça da cidade e faz parte da história de defesa de Cartagena. Como as construções são lindas, rende boas fotos – no Natal, a praça fica toda decorada. Há vários vendedores frutas e artesanato por lá – vale uma paradinha para comer uma fruta gelada ou comprar uma bolsa colombiana, que aqui no Brasil é caríssima!

Plaza de la Aduana no Natal - Cartagena
Plaza de la Aduana no Natal – Cartagena

Plaza de Bolívar
A antiga Plaza de la Inquisición é uma ótima parada para tomar uma água ou um sorvete. Tem muitas árvores, o que significa sombra e, em Cartagena, sombra é ouro. Pare e sente em um dos banquinhos. Aproveite para olhar para cima e admirar as casas e, principalmente, as janelas. Ô janelinhas lindas e floridas! Obviamente, a estátua no meio da praça é do libertador Símon Bolívar, que emprestou seu nome a ela. A praça abriga ainda dois importantes museus, mas só fui em um – Museo de la Inquisición.

Janelas de Cartagena - Colômbia
Janelas de Cartagena – Colômbia

Museo Historico de Cartagena / Museo de la Inquisición (Plaza Bolívar)
Gente, vou ter que ser chata. A história contada no museu é legal e a casa tem seu charme e valor, afinal foi sede do Tribunal da Inquisição da “Santa” Igreja”, onde foram condenados à morte mais de 800 pessoas (as execuções eram na praça bem em frente). Mas a exposição, sinalização e apresentação das peças são realizadas de maneira muito amadora. Apesar de ser uma boa oportunidade de entender melhor a história da Colômbia e de Cartagena antes da independência do país, achei a entrada bem carinha (COP 17.000) para o que o museu oferece – é bem pequeno.

Museo de la Inquisición - Cartagena
Museo de la Inquisición – Cartagena

A parte legal é que rola uma lenda de que a casa é assombrada. Então, se você sempre sonhou em ser um Caça Fantasmas, entre e se divirta.

2ª a sábado: 9h às 18h
Domingo e feriado: 10h às 16h

Ingresso
Crianças: COP 14.000
Adultos: COP 17.000
Último domingo do mês é gratuito.

Plaza de Santo Domingo
É um dos lugares mais animados da cidade e foi nossa primeira parada para uma cervejinha. Toda a praça é rodeada por bares e restaurantes, que colocam mesas em todo o centro – tome cuidado porque, como venta forte, várias vezes os sombreiros voam levando mesa, cerveja e cadeira. Mas não se intimide, sente em uma das mesas e espere (horas) para ser atendido. Mas juro que vale a pena, pois a praça é animada, tem muitos cantores de rua e ambulantes oferecendo de estátuas a réplicas de óculos.

Plaza de Santo Domingo - Cartagena
Plaza de Santo Domingo – Cartagena

É nesta praça que está La Mujer Reclinada, grande escultura de Fernando Botero, popularmente conhecida como La Gorda. Diz a lenda que o homem que passa a mão na bunda da “Gertrudis” (outro codinome da gorda) garante virilidade para o resto da vida. Para os casais que querem garantir um futuro duradouro e lindo, basta uma apertadinha nos seios da estátua. Por via das dúvidas, o melhor é apalpar ela inteira! Não custa tentar…

La Gorda - Cartagena
La Gorda – Cartagena

Em uma das esquinas da Praça Santo Domingo está a bela Iglesia de Santo Domingo, a mais antiga da cidade – como não é aberta à visitação, o ideal é chegar antes do meio-dia e esperar a missa acabar para entrar. O interior não é liiindo não, mas vale pelo pedido (uma vez, alguém me disse que toda vez que se entra em uma igreja pela primeira vez você tem direito a fazer um pedido. Sempre visito igrejas, sempre!)

Plaza San Diego
Minha praça preferida de Cartagena! Por ser em frente à faculdade de artes, à noite fica mega movimentada, com artistas de rua, ambulantes, feira de artesanato e barraquinhas de comida de rua. É simplesmente linda (principalmente no Natal) e fica perto dos melhores restaurantes da cidade, além de abrigar o famoso Hotel Santa Clara (sério, se tiver a oportunidade, peça para entrar na área comum do hotel, onde fica o restaurante. É simplesmente maravilhoso! Um dia chego lá…).

Plaza San Diego - Cartagena
Plaza San Diego – Cartagena

Parque Fernandez de Madrid
Fica pertinho do Hotel Santa Clara (250 metros) e oferece restaurantes e opções menos turísticas (leia-se mais baratas) do que a Plaza San Diego. Muita gente compra um pedaço de pizza e senta na praça para comê-lo acompanhado de uma boa cerveja (tomei a mais gelada no KGB, barzinho que fica nessa praça).

Catedral de Santa Catalina de Alejandría (Calle de los Santos de Piedra, Cra. 4)
A catedral tem história! Começou a ser construída em 1575 e foi seriamente atingida pelos canhões de Sir Francis Drake, em 1586. quando fomos, o interior estava em obras, por isso, não deu para ver direito tudo, mas vale a pena a entrada!

Existe o que ser visto fora das muralhas – Convento de la Popa, Castillo de San Felipe de Barajas e Los Zapatos Viejos – mas admito que tive preguiça. O mais longe da cidade amuralhada que fui (além do hotel em que fiquei) foi em Bocagrande para molhar os pézinhos no mar no dia 31 e aproveitar o ar condicionado do shopping.

Praia de Bocagrande - Cartagena
Praia de Bocagrande – Cartagena

Bocagrande é quase os Estados Unidos, com muito prédio alto e espelhado, fast foods e hotéis de grandes redes. Mas assim, vamos combinar, tem muito mais charme visitar os Estados Unidos em Nova York do que em Cartagena, né?

Já pensou em conhecer o mundo de maneira independente e segura? E o melhor, sem gastar muito? Chega aqui e descubra tudo o que podemos construir juntos.

Pontos Turísticos – Ouro Preto

Centro Histórico de Ouro Preto
Não se iluda com o ar de presépio em miniatura que Ouro Preto tem, o Centro Histórico é grande e as ladeiras o deixam ainda mais cansativo. A vantagem é que as temperaturas na cidade costumam ser baixas e, por isso, você não vai suar tanto como se estivesse no Pelourinho, em Salvador. Independentemente do esforço físico, não se desanime, cada subida será recompensada com uma bela vista, cada escadaria com uma linda igreja e cada descida com um pão de queijo gostoso e uma cerveja gelada. Por isso, passe no Centro de Atendimento ao Turista, pegue seu mapa e taca-lhe pau!

O CAT (Centro de Atendimento ao Turista), localizado no segundo piso do Terminal Rodoviário 8 de Julho – antes de chegar à Praça Tiradentes -, funciona diariamente, de 7h às 17h. Mais informações: (31) 3551-5552.

Praça Tiradentes
Essa praça, principal de Ouro Preto, é ponto de partida (e de encontro) de quase todos os roteiros turísticos pela cidade. Fica no alto, por isso, é só escolher qual lado descer. Foi nesse local que a cabeça do inconfidente Tiradentes ficou exposta após o enforcamento. Com a proclamação da República, uma estátua em homenagem ao mártir foi colocada no centro da praça, de frente para o Museu da Inconfidência, que antes era a Casa da Câmara e também uma cadeia, e de costas para o Museu de Ciência e Técnica, o antigo Palácio dos Governadores. #treta

praca-tiradentes
Praça Tiradentes – Ouro Preto

Museu da Inconfidência (Praça Tiradentes, 139 – Centro)
O prédio mais bonito da praça é o Museu da Inconfidência – para onde Tiradentes está olhando. Se você gosta de história, vale muito a pena pagar os R$ 10 da visitação. Dentro, mobiliário, instrumentos e peças que faziam parte do dia a dia dos brasileiros na época da Inconfidência Mineira. É tudo muito bem conservado e a casa – antiga Casa da Câmara e prisão, mantém viva a lembrança da época.

Visitação: Terça a domingo, das 10 às 18h
Venda de ingressos até 17h20min

VALORES DO INGRESSO:
Inteira: R$ 10
Meia-entrada: R$ 5

O Museu é adaptado para portadores de necessidades especiais.

Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas (Praça Tiradentes, 20 – Centro)
Antigo Palácio dos Governadores, o prédio centenário abriga hoje o Museu da Ciência e Técnica da Escola de Minas da UFOP. Faz muitos anos que entrei no museu, mas o que me lembro são de muitas pedras preciosas, fósseis e equipamentos. Achei bem legal na época. Vi no site que hoje o prédio abriga também um observatório astronômico que pode ser legal. Mas, minhas melhores memórias do Museu são, sem dúvida, ficar sentada na mureta da entrada, tomando um solzinho e olhando o movimento da praça.

Casa da Ópera – Teatro Municipal de Ouro Preto (Rua Brigadeiro Musqueira – aos pés da Igreja N. S. do Carmo)
Quando você chega na porta do teatro, sempre rola aquela dúvida: será que é aqui mesmo? A fachada é muito simples e não condiz nem um pouco com o interior. O teatro é o mais antigo das Américas ainda em funcionamento – foi construído em 1770. As cadeiras são de madeira e o estofado não mente a idade, mas todos os três andares impressionam pela conservação. O ingresso é barato (R$ 2), pode-se ir em todos os níveis e é permitido fotografar. Se surpreenda com esse passeio além-igrejas.

Ingresso: R$ 2,00 | Estudantes pagam meia.
Telefone: (31) 3559 3256

teatro-ouro-preto
Teatro – Ouro Preto

Feira de Pedra Sabão (Largo de Coimbra – Centro)
Descendo a rua à esquerda de Tiradentes, você vai avistar a famosa feira de pedra sabão de Ouro Preto. São muitas barraquinhas com tudo o que você imaginar feito desse material – caixinhas, santas, vasos, fontes. As peças, artesanais, são muito bonitas e pesadas, por isso, o ideal é ir às compras próximo da hora de ir embora ou você vai passar o resto do dia carregando uma sacola pesadinha. As coisas não são muito caras, mas também não são baratas – pode dar uma chorada no preço sem medo!

Igreja de São Francisco (Largo de Coimbra)
Em frente à Feira, está a Igreja de São Francisco de Assis, declarada, em 2009, uma das Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo. Com projeto básico da fachada e da decoração (com muito ouro) assinados por Alejadinho, a igreja possui ainda trabalhos do Mestre Ataíde, que pintou, além de outros painéis, o teto da nave – sua obra mais famosa.

O ingresso é meio carinho – R$ 10 -, mas dá direito a entrar na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição – Alejadinho está enterrado lá – onde funciona o Museu dedicado ao artista.

igreja-sao-francisco-ouro-preto
Igreja São Francisco de Assis – Ouro Preto

Se mais do que saber sobre os lugares, você quer uma mãozinha para planejar a viagem, vem aqui e descubra as experiências incríveis que podemos construir juntos. Com conversa, intimidade, experiência e vontade, dá para fazer uma viagem personalizada que te permita se encontrar (e se surpreender) onde quer que você vá.

Programas Culturais – Rio de Janeiro

Dá para ser cult, dá para ser legal, dá para aproveitar o Rio mesmo com chuva.

Jardim Botânico (Rua Jardim Botânico, 1008 – Jardim Botânico)
Desde a cena final de Por Amor, conhecer o Jardim Botânico era uma das minhas metas de vida. Porém, confesso que fiquei meeeega decepcionada quando finalmente consegui visitá-lo. Não sei se, por trabalhar no Inhotim, esperava a mesma exuberância e cuidado com os jardins, mas fato é que achei que o parque/museu mineiro dá de 10 a 0 no monárquico Jardim Botânico. A sinalização é ruim, a fila para comprar os ingressos é sempre grande e os jardins e monumentos estão muito mal cuidados. Os funcionários não são bem treinados e nem sempre conseguem dar informações completas. Poucas pessoas sabem, mas de hora em hora sai uma visita em carrinho de golfe. Você tem que colocar o nome na lista assim que chegar e esperar a próxima saída.

As palmeiras imperiais são realmente impressionantes, mas como diz o ditado, uma andorinha só não faz verão.

Visitação:
Segunda – 12h às 17h
Terça a domingo – 8h às 17h
R$ 9,00 (apenas em dinheiro)

jardim-botanico-rio-de-janeiro
Jardim Botânico – Rio de Janeiro

Parque Lage (R. Jardim Botânico, 414 – Jardim Botânico)
Desde que vi o clipe do Snoop Dogg gravado no Parque Lage, o incluí na minha listinha de “lugares para ir antes de morrer”. O Parque Lage fica aos pés do morro do Corcovado (a vista do Cristo é linda!) e faz parte do Parque Nacional da Tijuca. Desde 1975, o palácio construído dentro do parque abriga a Escola de Artes Visuais – EVA, o que garante ao lugar um ar artístico por onde quer que você vá. O antigo palácio abriga salas de aulas de pinturas, instrumentos musicais. O parque todo é lindo, com muita mata e tal, mas, sem dúvida nenhuma, o it do lugar é o palacete. Além de lindo, sempre tem exposições de arte dentro. Sem contar que dá para tomar um bom café da manhã no restaurante que fica dentro do casarão na parte central do parque. Não se acanhe, coloque seu nome na lista e espere tomando um solzinho à beira da piscina. O preço não é exorbitante quanto parece – como é muito bem servido, o esquema é pedir o café completo para uma pessoa e complementar com o que não dá para dividir, tipo café, suco e iogurte.

parque-lage
Parque Lage – Rio de Janeiro

Funcionamento:
Área verde: diariamente, das 8h às 17h
Cavalariças e Capela: diariamente, das 10h às 17h
Palacete: segunda a quinta, das 9h às 19h; sexta, sábado e domingo, até às 17h

Casa Daros (Rua General Severiano, 159 – Botafogo)
Desde quando eu trabalhava no Inhotim, passei a sempre visitar, pelo menos um espaço cultural em toda cidade que vou. Admito que a escolha da Casa Daros se deu por dois motivos: é uma propriedade privada, assim como o Inhotim; e a história de que iria fechar pouco depois – entre agora para conferir e acho que foi estratégia de marketing, porque continua aberta. A exposição em si – Made in Brazil – não me impressionou não, apesar de contar com vários artistas que admiro, como Cildo Meireles, Ernesto Neto e Miguel Rio Branco. Na verdade, acho que é difícil uma exposição chamar mais atenção que a casa, que é deslumbrante. Pé direito alto, chão de madeira e um pátio central digno de ser olhado por todas as janelas internas.

casa-daros
Casa Daros – Rio de Janeiro

Funcionamento:
Quarta a sábado: 11h às 19h
Domingos e feriados: 11h às 18h

Ingresso:
Exposição principal: R$ 14
Entrada gratuita às quartas-feiras

Se mais do que saber sobre os lugares, você quer uma mãozinha para planejar a viagem, vem aqui e descubra as experiências incríveis que podemos construir juntos. Com conversa, intimidade, experiência e vontade, dá para fazer uma viagem personalizada que te permita se encontrar (e se surpreender) onde quer que você esteja.