Paraná

img_20160819_135343

curitiba

Anúncios

Onde Comer – Foz do Iguaçu

Famiglia Maran Confeitaria e Panificadora (R. Almirante Barroso, 1968)
Essa padaria foi nossa salvadora! Como fica aberta (mesmo) 24 horas por dia, conseguimos jantar às 2h da manhã, quando chegamos a Foz do Iguaçu. Além de sanduíches, doces e salgados, o local tem um buffet de sopas (somente durante o inverno) e serve pratos prontos a qualquer hora do dia e da noite. Optamos por um PF padrão – arroz, feijão, farofa, batata frita e bife – o de frango estava mais gostoso que o de boi. Os pratos são muito fartos e vêm com bastante carne (no meu prato tinham quatro bifes de peito de frango). A comida é gostosinha, mas, para às 2h, é simplesmente deliciosa. Rs…

Aberta 24h
Preço médio dos pratos: R$ 25
Aceita Alelo

City Bier (Rua Quintino Bocaiuva, 1088)
É um boteco com mesas em local coberto. O que, para mim, é uma coisa boa. Porém, o serviço do lugar deixou muitíssimo a desejar. Chegamos depois do passeio às cataratas com muita fome. No balcão tinha um buffet livre de feijoada que parecia estar ali desde cedo, sob o sol, por isso, achamos melhor não arriscar um piriri gangorra. Pedimos um filé na chapa, acompanhado de arroz, mandioca, vinagrete e farofa (R$ 46); e minha mãe escolheu o PF de filé (R$ 25). A comida estava gostosinha, farta e adequada ao preço. Tudo ok se não fosse o humor da garçonete, que nos jogou os pratos e não teve nenhuma boa vontade em nos atender. Conclusão: ninguém é obrigado a ser mal atendido, principalmente nas férias, por isso, vá a outro restaurante. Existem milhares como o City Bier por Foz do Iguaçu.

2ª a sábado: 16h às 00h
Aceita Alelo

La Máfia (Rua Watslaf Nieradka, 195)
Simplesmente o melhor restaurante da viagem (e acredito que de Foz do Iguaçu). O lugar é lindinho, com uma decoração mega descolada. Como não tínhamos reserva, tivemos que esperar um pouquinho no sofá, na entrada. Mas tudo valendo a pena.

restaurante-la-mafia-foz-iguacu

Na frente do local, o próprio restaurante tem uma adega onde você pode ir e escolher o vinho para acompanhar o jantar ou simplesmente comprar e levar para casa. Por isso, a carta tem opções de todos os preços, de R$ 40 a R$ 200. Um luxo!

De entrada, pedimos bruschettas, que estavam deliciosas e vieram rápido. Como o restaurante estava cheio, decidimos não demorar muito para fazer os pedidos – grande insight, porque mesmo assim, demorou uns 50 minutos. Minha mãe e meu namorado foram de nhoque à bolonhesa (R$ 40) e eu de tagliatelle ao ragu (R$ 45). Essa foi a melhor massa que comi na vida! Caseira, fininha e no ponto certo de cozimento. Incrível, incrível e incrível. O nhoque também estava bem gostoso, leve, o que é difícil para o prato. Infelizmente não sobrou espaço para a sobremesa, mas as que vi passando estavam muito bonitas!

Tenho que ressaltar também o excelente atendimento que recebemos. Todos os garçons e garçonetes muito atenciosos, simpáticos e prontos a ajudar. Ponto extra.

Conclusão: se for a Foz do Iguaçu, vá ao restaurante La Máfia!

2ª a sábado: 19h às 23h30
(45) 3572-1015

A Piacere (Avenida Cordoba, 125 – Puerto Iguazu, Argentina)
Esse restaurante fica na rua dos restaurantes – todos os estabelecimentos mais bem avaliados no Trip Advisor estão ali. Dentre tantas opções, acabamos escolhendo o A Piacere porque o ambiente era muito gostoso – climinha de verão europeu na parte externa e restaurante chique no salão. Ficamos na parte de dentro, pois ficamos com medo de esfriar muito.

a-piacere-restaurante-puerto-iguazu

A comida é deliciosa! De entrada fomos de empanadas, que foram servidas na versão frita – gosto mais da assada, mas o recheio estava mara! Como prato principal, meu namorado, que nunca tinha comido uma parrilla argentina de verdade, escolheu a carne, que veio acompanhada de arroz, farofa, salada e batata frita. Tenho que admitir que, eu que não sou muito fã de parrilla, me arrependi de não ter seguido-o na escolha do prato. A carne estava saborosíssima, temperada (o que é raro), macia e no ponto exato.

a-piacere-puerto-iguazu

Eu e minha mãe fomos de filé mignon ao molho de Malbec com purê de batata trufado (que não tinha nada de trufado, mas estava bem gostoso). A carne, para mim, estava um pouco bem passada demais, mas muito macia e gostosa, mas ainda sim, preferi o chorizo.

a-piacere-restaurante-puerto-iguazu

De sobremesa, meiamos um petit gâteau que estava mais para um brownie do que para o famoso bolinho francês. Deixaram cozinhar demais e o recheio não estava cremoso como deveria. Mas gostoso ainda assim.

O único ponto negativo do restaurante é o tempo de espera pelos pratos. O serviço é muito lento! Esperamos quase meia hora pela sobremesa, depois de terem demorado quase uma hora até trazerem os pratos.

Todos os dias: 12h às 23h45
Média de R$ 50 reais por pessoa
Aceita cartão

Pontos Turísticos – Foz do Iguaçu

Parque Foz do Iguaçu (Rodovia das Cataratas | BR-469, Km 17 – Brasil)
Simplesmente fiquei encantada com a estrutura do Parque do lado brasileiro das Cataratas. Tudo muito bem organizado, infraestrutura suficiente para atender aos muitos turistas e tudo muito bem cuidado (mesmo!). E o valor cobrado por tudo isso é relativamente baixo: R$ 34,30.

parque-nacional-foz-iguacu

Fomos de carro e foi tudo tranquilo. O Parque possui estacionamento que você paga junto com a compra do ingresso e custa R$ 21 a diária. Na bilheteria, fila única e muitos caixas para atender. Infelizmente, na hora em que fomos comprar os ingressos, o sistema estava fora do ar e tivemos que pagar tudo em dinheiro – parece que isso é comum na região, portanto, saque dinheiro antes de ir.

Todo o transporte interno é feito em ônibus de dois andares, que saem de 10 em 10 minutos, e param em cinco pontos: Centro de Visitantes, que é a entrada e saída do Parque; Trilha do Poço Preto, que é o início de uma caminho de 9 Km, que pode ser percorrido a pé ou de bicicleta, e termina às margens do Rio Iguaçu; Macuco Safari, onde é feito o passeio de barco pelas cataratas (pago à parte); Trilha das Cataratas, que é o início da caminhada rumo à passarela perto das quedas d’água; e Espaço Porto Canoas, onde termina a trilha das cataratas e fica o restaurante do Parque.

Pegamos o ônibus e descemos, logo de cara, no Macuco Safari para fazermos o passeio de barco. Já tínhamos comprado os ingressos pela internet (R$ 198 cada) para evitar filas e conseguir pagar no cartão de crédito (e ainda dividir em 2x). Lá dentro, é tudo muito rápido, organizado e cuidadoso.

macuco-safari

Como sabíamos que íamos nos molhar (e muito), levamos na mochila uma roupa adequada para o banho. Aproveitei o banheiro da recepção do Macuco para trocar o look. De lá, pegamos uma espécie de “jardineira” para irmos até a beira do rio para pegar o barco. No caminho, um guia fala um pouco sobre a flora da região, em português, espanhol e inglês (se necessário). O percurso de 2 Km até o barco demora cerca de 20 a 30 minutos. No caminho, cruzamos com outros turistas que estavam voltando do passeio e admito que fiquei um pouco frustrada: não tinha ninguém de cabelo molhado. Doce ilusão.

Em um momento, a jardineira para e você pode escolher entre caminhar até o local de embarque a pé (cerca de 600 metros) ou seguir de jipe. Como o trajeto tem muitas escadas e o joelho da minha mãe não estava muito bento, fomos de carro – taca-lhe pau nesse carrinho!

No lugar de embarque, você pode guardar seus pertences em escaninhos que ficam no andar de baixo. Compre a ficha na loja de souvenir – R$ 10 – e coloque suas mochilas (cabem duas) no armário. Não deixe os óculos de sol na bolsa! Correr o risco de perdê-lo (bem baixo) vale conseguir olhar para cima quando estiver perto das cataratas. Outra coisa: leve ou compre capa de chuva. É verdade que ela não te impede de molhar, mas não deixa que suas roupas fiquem encharcadas ao ponto de ser impossível colocá-las na mochila. Aliás, capa de chuva será útil em outros momentos do passeio.

Devidamente encapotados, vestimos o colete salva-vidas e entramos em um funicular, que desce da plataforma até o deck onde se pega o barco. Existem duas opções de passeio: molhado ou seco. Optamos pelo banho, mas com consciência, por isso, nos sentamos no meio do barco, à frente da cabine de direção. Molha muito, mas não tanto quanto na proa.

macuco-safari-foz-iguacu

O passeio de barco mesmo é rápido, dura cerca de 30 minutos, mas é muito divertido. Você consegue ver de perto uma parte das cataratas e praticamente entra de baixo de uma queda d’água. Minha mãe, que é super medrosa (e eu também), adorou e queria mais.

passeio-barco-macuco-safari

É difícil fotografar, mas segue aí o que eu consegui filmar.

Na volta, me lembrei que tinha levado tudo – toalha, calça, blusa, sutiã -, menos calcinha. E não é que a lojinha vende? Com certeza não fui a primeira. Rs.. Lá vende meia também, além salgados, bebidas e bichinhos de pelúcia. Uma dica de ouro na hora de se trocar é usar o banheiro do andar de cima – o da lojinha -, pois ele é mais espaçoso, possui trocador para servir de apoio e é mais limpo (os banheiros do Macuco são bem sujos, molhados e apertados).

Secos e lanchados, pegamos o jipe e a jardineira novamente para voltarmos para a “avenida principal”. Como as mochilas estavam pesadas, pagamos mais R$ 10 para deixá-las nos escaninhos da recepção do Macuco, o que foi uma escolha suuuper acertada! Caminhar com peso nos ombros tira metade do prazer do passeio.

Pegamos o ônibus interno novamente e descemos na estação seguinte – Trilha das Cataratas. Aí começa o caminho que te leva até à passarela. São 1,5 Km de muita beleza (você consegue ver as quedas d’água de diferentes ângulos), ar puro e quatis. Sério, esse bicho deve se reproduzir igual a coelho, pois estão por todos os cantos. Apesar de bonitinhos, eles não são muito amigos da garotada (hahaha..), pois podem atacar por comida. Portanto, nada de alimentá-los, tocá-los ou chamá-los para perto. O ideal é que cada um fique na sua.

cataratas-do-iguacu

O fim da trilha, como falei, é a passarela que fica em cima do rio e perto das cataratas. O visual é simplesmente maravilhoso: muitas cachoeiras, arco-íris eterno e lindas falésias. Se você não quiser se molhar, use a capa de chuva #ficaadica. Depois, é só pegar o elevador panorâmico e voltar às ruas. O elevador para próximo à área de alimentação onde fica o restaurante Porto Canoas.

cataratas-foz-do-iguacu

Na descrição, falavam que era de frente para a Garganta del Diablo, maior queda das cataratas, mas a verdade é que o espaço fica de frente para a parte do rio que vai culminar na garganta. Como a comida – esquema buffet livre – não estava muito apetitosa e a vista não era o que esperávamos, decidimos ir embora. O ponto do ônibus interno é logo em frente.

A visita ao Parque Nacional de Foz do Iguaçu demorou cerca de 5 horas. Uma boa dica é fazer o passeio do Macuco logo na chegada, pois no fim da tarde a procura é muito maior. Aliás, tente ir cedo para ter menos dificuldade em tirar fotos nos mirantes e enfrentar menos filas.

mirante-cataratas-do-iguacu
Turistas lutando por um lugar no mirante

Parque Foz de Iguazu (Ruta 12, km 5 – Puerto Iguazú – Argentina)
Sabe aqueles momentos que dá orgulho de ser brasileiro? Então, senti isso ao visitar o lado argentino das cataratas. Era domingo, véspera de feriado no país – 14 de agosto – e o parque estava realmente lotado. Além disso, a infraestrutura e a logística do parque não ajudaram muito na experiência. Primeiro: eles não aceitam cartão de crédito e, na bilheteria, também não aceitam Real. Sei que a maioria dos lugares aconselha a comprar pesos argentinos, mas quando nos lembramos disso, as casas de câmbio já estavam fechadas. Ou seja, chegamos à entrada do parque, depois de enfrentarmos uma fila gigante na fronteira, sem saber se íamos conseguir entrar ou não. Mas, nesse dia, a sorte estava do nosso lado.

Uma das cabines da bilheteria se abriu e eu perguntei à atendente se poderíamos pagar os ARG 250 da entrada e o estacionamento (ARG 90) em real ou com cartão de crédito. Ela disse que não poderia, mas iria liberar para mim desde que eu não falasse com ninguém. Não sei bem como ela resolveu a parada, mas fato é que entramos com ingressos verdadeiros e pagos em real.

Na entrada mesmo para o parque, vi que existe um caixa eletrônico. Muitos bancos brasileiros permitem que você saque na moeda local, desde que pague uma taxa por isso. Ou seja, se seu banco liberar, essa pode ser uma boa opção para que você não tenha que contar com a sorte. Nas lanchonetes, o real é aceito, mas a cotação é péssima – R$ 1 = ARG 3,80.

Passamos pela catraca e ali teve início o nosso sofrimento. O transporte interno é feito de trem (super lento), que sai de 30 em 30 minutos. Ou seja, de cara já tivemos que esperar meia hora até o trem partir. Os bancos são mega desconfortáveis e você vai bem apertadinho, já que são quatro pessoas por banco e não há muito espaço entre as suas pernas e as pernas do vizinho que vai de frente para você.

trem-parque-foz-iguazu

A nossa intenção era ir direto para a estação da Gargante del Diablo, já que não queríamos fazer as trilhas inferior e superior. Quando o trem partiu, ficamos aliviados, pois, na nossa cabeça, só teríamos que passar por toda aquela espera uma vez, já que desceríamos na última estação. Doce engano!!! Quando chegamos à Estación Cataratas, fomos convidados a descer. TODOS! O trem não segue direto. É preciso enfrentar outra fila (enorme) para pegar outro veículo até as cataratas. Foram simplesmente 50 minutos em pé, na fila, esperando. Um sofrimento!

estacao-trem-puerto-iguazu

Nessa estação tem um Subway (com filas gigantes) e uma lanchonete, com menos fila, que vende empanadas bem gostosa. O jeito foi comer uma acompanhada de uma cerveja gelada. Essa experiência com a fila realmente acabou prejudicando muito o passeio. Quando finalmente conseguimos entrar no trem (o 4º), já estávamos cansados e frustrados.

A trilha até a Gargante del Diablo é toda feita em passarela sobre as águas do rio. Realmente é muito bonito, mas como tinham muita gente, todo o percurso foi feito em fila indiana. 😦

trilha-garganta-del-diablo

A caminhada é leve e termina em um mirante bem pertinho da queda d’água (a capa de chuva, mais uma vez, é muito útil). Essa parte das cataratas é realmente impressionante. Muita água, um barulho muito forte e um entorno digno de Game of Thrones.

garganta-del-diablo-foz-iguazu
Garganta del Diablo

Mas, como era de se esperar, conseguir uma beirinha no mirante para tirar foto é uma verdadeira aventura. Na volta, mais fila indiana na passarela e 30 minutos a espera do trem.

Descemos novamente na Estación Cataratas, mas decidimos não esperar o outro trem para a Estación Central e fomos até a recepção a pé. Ninguém aguentava mais enfrentar filas. Ao todo, gastamos quase 4 horas no parque, sendo que quase duas foram em filas. Uma experiência que não recomendo a ninguém. Eu realmente espero que isso tenha sido culpa do feriado, pois a vista da Gargante del Diablo é muito linda e merece uma estrutura à altura.

Usina Hidrelétrica de Itaipu
É linda, é grande e é impressionante. Na minha primeira visita a Foz, fiz a visita padrão, de dia, onde você conhece um pouco da estrutura interna da usina. Dessa vez, como tínhamos pouco tempo, optamos por conhecer Itaipu à noite, em um espetáculo de luz e som. A visita Iluminação da Barragem é imperdível (e barata! R$ 17 por pessoa).

O ideal é comprar os ingressos antes, pela internet, para não correr o risco de não encontrar lugar. Chegando em Itaipu, estacione o carro (estacionamento pago na bilheteria – R$ 10) e vá direto à bilheteria para trocar seu ingresso virtual. De lá, fomos em um ônibus de dois andares até a arquibancada, bem em frente à barragem principal da usina. No percurso da entrada até aí não tem muito o que ser visto, então aproveite o quentinho da parte de baixo do veículo.

Já de frente para a barragem, assistimos a um vídeo sobre a usina – bem legal – e nos preparamos para o grande momento da noite. Todas as luzes foram apagadas e, a partir de um projeto de iluminação desenvolvido por Peter Gasper (o mesmo que desenhou a iluminação do Cristo e da Praça dos Três Poderes), foram se acendendo de maneira teatral, acompanhadas por uma trilha sonora exclusiva. O espetáculo é rápido, dura cerca de 10 minutos, mas é lindo! Veja aqui.

iluminacao-barragem-usina-itaipu

Com todas as luzes acesas, voltamos ao ônibus para passar bem perto da barragem enquanto o guia contava curiosidades sobre a usina. Nessa parte, vale enfrentar o frio do andar de cima do ônibus para ver de perto a magnitude dessa construção. O passeio todo é bem legal!

Sexta-feira e sábado, às 20h (21h no horário de verão)
Duração: 1h30

Quer descobrir a alma dos lugares? Monte um roteiro personalizado junto com o Por Ceca e Meca.

Onde Ficar – Foz do Iguaçu

Pietro Angelo Hotel (Rua Almirante Barroso, 1864)
O hotel foi uma excelente surpresa. Nas fotos do Booking, parecia super novinho. Porém, no Google Street, as imagens eram de chorar. Conclusão: #chupaGoogle. O hotel é realmente lindinho, tudo novo, limpo e super reformado. Ufa!

Os quartos são bem grandes, a cama é box, os travesseiros são confortáveis e o cobertor de pelo, surpreendendo a todas as expectativas, super cheiroso e sem poeira. O banheiro também tem um tamanho bom e o chuveiro é a gás. Ou seja, o banho é digno, com muita água e quente.

Detalhe para os cisnes de toalha!
Detalhe para os cisnes de toalha!

Eu e meu namorado recebemos um upgrade inesperado (parece até que eles sabiam que era nosso aniversário de namoro) e fomos hospedados em uma “suíte de luxo” – apto. 301. A cama era king size, o quarto gigante, com direito a cadeira estilosa, e uma banheira de hidromassagem nos convidava a ficar horas em meio aos sais de banho. Isso sem falar nos roupões disponíveis (acho um luxo) e nos bombons, deixados no dia do meu aniversário, logo que fomos tomar café. O que mais se pode desejar aos 30 anos?

banheiro-hotel-foz-iguacu

O café da manhã é bem gostoso, com pães, salgados, ovos, salsicha, pão de queijo e frios. Apenas os doces deixam a desejar. A impressão é que a massa é daquelas compradas prontas, sabe? Por isso, não gaste calorias com essa parte.

O hotel possui estacionamento não coberto e uma área de lazer, com piscina, sinuca e bar. Não cheguei a nadar, mas a água me pareceu um pouco suja. Ah! E no bar, só oferecem Brahma ou Skol. Faltou uma Originalzinha, pelo menos. Na recepção, vi que existe um atendimento exclusivo para agendamento de passeios e tal. Não chequei os preços, mas é uma facilidade a ser valorizada.

lazer-hotel-foz-iguacu

A localização do hotel é ótima, o staff foi sempre muito atencioso e o check-in e check-out super rápidos. Pagamos R$ 175,50 na diária para o casal. Preço super justo e experiência maravilhosa.

Vá além dos guias tradicionais de viagem e conheça as cidades em essência. Conheça nossos serviços para tornar suas experiências inesquecíveis!

Como Chegar – Foz do Iguaçu

O aeroporto é beeeem simples, não tem finger e nem muita opção de comida. Por isso, vá alimentado e aceite a possibilidade de embarcar embaixo de sombrinhas. Mas, em compensação, você pode comprar rosas na máquina de snack, alugar carro 24 horas por dia e se deliciar com alguns minutos na cadeira massageadora (gente, juro que vale o mico!).

Optamos por alugar um carro, já que os parques e Itaipu ficam um pouco distantes do centro – é possível fazer todos os passeios de ônibus, mas como era meu aniversário, eu merecia um certo conforto. Rs… Alugamos na Movida, que estava com melhor preço e, além da Localiza, era a única que ficava aberta até tarde (chegamos à 1h da manhã). Aliás, diferentemente de outras cidades, não foi tão ruim chegar de madrugada, pois encontramos uma boa padaria 24 horas perto do hotel – Veja onde comer em Foz do Iguaçu.

O carro era novinho e recebemos um upgrade gratuito. Uma dica: como muita gente vai à Foz para comprar muamba no Paraguai, não deixe de conferir se o macaco e chaves de roda estão mesmo no porta-malas. As pessoas costumam tirar o pneu para emburacar a mercadoria e, muitas vezes, esquecem de devolver tudo.

Chegar de carro às Cataratas é tranquilo. A cidade é bem sinalizada e não há muito como errar. A avenida que leva aos parques é uma rodovia, por isso, não se esqueça de ligar os faróis para evitar uma multa boba.

mapa-foz-iguacu

Para ir aos restaurantes, usamos o GPS, pois não conhecíamos o nome das ruas e tal. Mas as opções não fogem muito do centrinho perto da Wood’s e do Mc Donald’s. Tudo o que você precisa está por ali.

Uma coisa importante a se lembrar se você for alugar carro é pedir os documentos necessários para retirar a Carta Verde – uma espécie de “seguro” para quem vai de carro para a Argentina.

Procurando ajuda para planejar sua visita? Converse com a gente e descubra que a sua viagem dos sonhos existe e cabe no seu bolso.